terça-feira, 20 de setembro de 2016

Ser, viver, florescer...



Quem vê uma flor
Não imagina
O que se passa antes dela florescer.

É preciso tempo
Chuva
Sol
Tempestade
Adubo continuo
E depois de tudo isto
Nasce a mais bela
Um doce perfume que exala
A imagem que se perde
No toque suave da flor.

Quem vê um sorriso
Não sabe o quanto é preciso
Para que ele aconteça
Mesmo sem motivos
Mesmo sem razão
Mesmo em noites escuras
É ele que ilumina
É ele que direciona
É ele que mesmo sozinho
Busca e encontra o caminho.

Há dias que o corpo cansa
De exalar o mais puro sentir
De tentar tocar o que por dentro flui
De tentar ecoar em pleno deserto
O que no coração vibra.

Nestes momentos
A alma transcende
Sai em busca de alimento para o coração enfraquecido pelo tempo.

Como um vento
Num sopro
Algo invade o corpo
A mente respira
O coração se energiza
Voltando a vida.

O que o tocou?
A esperança do seu amor
Este que nunca cessa
Apenas silencia em instantes de dor.

Houve um tempo
Que a mente quis entender
Que o coração queria uma razão de viver
Hoje não mais...

Agora o que importa
É sentir no ar
O que ficou no tempo
O amor que flui no vento
Que toca quem deseja
Que beija quem busca
Que encanta
Quando se descobre
A vida além do olhar.

Quem vê um corpo
Lê uma parte
Quem sente a alma
Descobre a arte de um livro escrito através dos sentidos.


Tânia Gorodniuk








Nenhum comentário:

Um dia o que vive dentro aflora em pleno sentimento...

Pouco importa o que o corpo toca Quando na alma transcende O que por dentro nos faz. Sinto o que ainda não chegou Mas em outra dimen...