quinta-feira, 31 de março de 2016

Um amor que flui em outra dimensão.




Há um amor que a cada vento
Toca e provoca em todos os sentidos
Um doce alvoroço.

Um amor ainda sem corpo
Sem rosto
Apenas luz
Que toca e permeia
Aquece e incendeia.

A cada anoitecer ele vem mansinho
Se aconchega com carinho
Abraça a alma
Beija o coração.

A cada amanhecer se despede num vento leve
Deixa no corpo o gosto de um sentir
Deixa no rosto o sorriso
Com desejo de quero mais.

É um sentir que invade
Faz da alma sua veste
Faz do corpo uma prece
Enquanto o coração escreve nos sentidos
A mais suave melodia.

Um sentir onde passado, presente e futuro se unem
Para mostrar que amor que amor eterniza no vento
Caminha pelos tempos
E toca quando for o momento.

Um dia
Quando o corpo estiver pronto
A alma diz
O lugar que o coração é feliz.


Tânia Gorodniuk






Nenhum comentário:

Uma carta ao tempo...

Será que vale a pena? Será que alguém entende? Será? Será que as palavras ainda são capazes de levar o que se sente? Será que os ...