quinta-feira, 16 de abril de 2015

Saudades...



Saudades de mim
Do tempo em o que mais importava era o meu coração.

De quando o vento tocava
Vibrava na alma
Uma doce canção.

Saudades de quando o que via
Era apenas o que por dentro fluia.

Saudades de um tempo
Em que deixava a emoção me guiar
Saudades de quando eu apenas voava
Seguindo a minha intuição.

Saudades de mim
Saudades de quando eu era sem medo de ser
Saudades
Foi o que hoje o coração gritou
Saudades de um tempo que não havia porques
Saudades do vento que trouxe o que há tempos mantenho guardado.

Saudades de mim...



Tânia Gorodniuk



Nenhum comentário:

Uma carta ao tempo...

Será que vale a pena? Será que alguém entende? Será? Será que as palavras ainda são capazes de levar o que se sente? Será que os ...